TD2N

Transformação Digital e os Novos Negócios

A primeira revolução industrial começou por volta de 1760 e durou aproximadamente até 1840. Foi caracterizada por um grande processo de mudanças relacionados a manufatura com impacto significativo na indústria têxtil, principalmente.

Os processos de produção manuais e artesanais foram gradativamente substituídos por processos realizados por máquinas e equipamentos, alavancados principalmente pelo uso mais eficiente da geração de energia, energia a vapor e água. A substituição do uso de madeira, carvão vegetal e biocombustíveis pelo carvão mineral também ocorreu de forma significativa nesse contexto.

A revolução industrial trouxe para Grã-Bretanha, onde se iniciou, em seguida para Europa ocidental e Estados Unidos mudanças significativas nos padrões de vida da época. Foi observado um grande crescimento, com reflexos bem consolidados no aumento na renda média dos habitantes das regiões que mais se beneficiaram dessa grande fase de transformações.

Conforme menciona Robert E. Lucas JR. “Pela primeira vez na história o padrão de vida das pessoas comuns começa a se submeter a um crescimento sustentável” [1].

No começo do século XX a energia elétrica e os motores a combustão interna, levaram a grande produção de veículos automotores, mudando de forma ainda mais contundente a melhoria de padrão de vida, possibilitando a melhoria da mobilidade de pessoas e mercadorias por longas distancias. Esses fatos caracterizaram a segunda revolução industrial.

A terceira revolução industrial iniciou-se por volta dos 1960 com a produção de computadores, dispositivos e equipamentos eletrônicos tendo como uma das caraterísticas mais relevantes o uso intenso da tecnologia da informação nos processos de automatização das empresas e indústrias de forma sistêmica e perene. Essa revolução também costuma ser conhecida com a revolução digital ou dos computadores, sendo alavancada por meio de computadores do tipo (mainframe), desenvolvimento e aplicação de semicondutores (1960), do computador pessoal (década de 1970 a 1980) e da internet na década de 1990 (Klaus Schuwab,2017 p15-16).

A quarta revolução industrial iniciou-se basicamente no final século XX, virada para século atual sendo lastreada na revolução digital. Caracteriza-se pelo uso de sensores menores e mais eficientes na sua performance e custo, por uma internet veloz e móvel, aprendizagem automática (aprendizado de máquina) e inteligência artificial (Klaus Schuwab, 2017 p16-17).

A grande mudança advinda da quarta revolução industrial está na integração de tecnologias já existentes e as novas como a nanotecnologia, computação quântica e o sequenciamento genético. Com essa integração torna-se possível o desenvolvimento de soluções de grande impacto com pontos congruentes e grandes interface entre as fronteiras dos aspectos físicos, biológicos e digitais [3].

Especificamente a internet das coisas (IoT)  Internet of Things  e a Análise da Dados (DA) Data Analysis são tecnologias inovadoras e disruptivas com grande potencial econômico e social, mostram-se  capazes de  afetar significativamente  as cidades nas suas demandas por processos de gestão mais eficientes e transparentes, indústrias e seus processos produtivos , empresas nos processos de gestão e logística entre outros, serviços no ganho de performance e personalização  e comunidades em todo mundo, nas ações sociais integradas as necessidades especificas de populações. São tecnologias transformacionais.

As revoluções industriais foram marcadas por uma grande introdução de novas tecnologias muitas delas inovadoras e disruptivas impactando as populações com grande melhoria do padrão de vida e renda.

As mudanças provocadas pela introdução e uso dessas tecnologias trouxeram também consequências nocivas, principalmente relacionadas a degradação do meio ambiente.

A qualidade do ar, água e aumento da temperatura global e grande parte dos parâmetros de monitoramento da qualidade do meio ambiente têm consistentemente indicado uma degradação das condições ambientais do meio ambiente.

O aumento consistente da temperatura média do planeta tem impactado de forma real e acelerada equilíbrio da vida de grande parte das espécies existente, levando a extinção de ecossistemas inteiros e espécies de maneira nunca vista e registrada anteriormente. Neste contexto existe grande demanda para mudanças de comportamentos e meios de produção mais sustentáveis. As cadeias de desenvolvimento de produtos,  produção, geração de serviços  estão se modificando  e evoluindo para o uso de tecnologias que permitam uma melhoria significativa da qualidade vida, disponibilidade de conhecimento, meios produtivos, coleta de dados por meio de sensores e dispositivos móveis, análise de grandes massas de dados  em tempo real,  informações processadas utilizando-se de inteligência artificial, mobilidade, acesso global a um custo acessível , desmonetização,  processos enxutos e sustentáveis.

Ref. Mendes, A L Fontes, Uso da IoT e Análise de dados no monitoramento estrutural de aeronaves. Trabalho final do MBA em Transformação Digital e o Futuro dos Negócios, PUCRS